Estudar onde é bom viver? Bem-estar subjetivo e qualidade de vida no ensino superior: o caso de estudantes brasileiros no Algarve

Autores

  • Lara Noronha Ferreira Universidade do Algarve - ESGHT
  • Luis N. Pereira Universidade do Algarve - ESGHT
  • Maria da Fé Brás Universidade do Algarve - ESGHT

DOI:

https://doi.org/10.17575/psicologia.1643

Palavras-chave:

Bem-estar subjetivo, Qualidade de vida, Escala de Bem-Estar Subjetivo (EBES), WHOQOL-Bref, Estudantes brasileiros

Resumo

Este trabalho analisou os níveis de bem-estar subjetivo (BES) e de qualidade de vida (QV) nos estudantes brasileiros que estudam na Universidade do Algarve (UAlg) a partir da constatação do significativo aumento destes em universidades portuguesas. Foi realizado um inquérito por questionário com entrevista eletrónica, constituído pela Escala de Bem-Estar Subjetivo e pelo WHOQOL-Bref, tendo participado 102 estudantes. Os resultados mostraram que os estudantes brasileiros que consideram a UAlg um bom sítio para estudar e um bom local para viver apresentam níveis mais elevados de QV e de BES. Aqueles que não tiveram crises emocionais e os que estão bem integrados têm uma QV e um BES mais elevado. Os estudantes com um nível físico e de relações sociais mais elevados têm maior probabilidade de considerarem a UAlg uma boa universidade para estudar. Conclui-se que os estudantes brasileiros têm um bom nível de BES e de QV.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Albuquerque, A., & Trócoli, B. (2004). Desenvolvimento de uma escala de bem-estar subjetivo. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 20(2), 153-164.

Alkire, S. (2010). Human Development: Definitions, Critiques, and Related Concepts. SSRN Electronic Journal. https://doi.org/10.2139/ssrn.1815263

Alsubaie, M.M., Stain, H.J., Webster, L.A.D., & Wadman, R. (2019). The role of sources of social support on depression and quality of life for university students. International Journal of Adolescence and Youth, 24(4), 484-496. https://doi.org/10.1080/02673843.2019.1568887

Bandeira, M., & Quaglia, M. (2005). Habilidades sociais de estudantes universitários: Identificação de situações sociais significativas. Interação em Psicologia, 9(1), 45-55. http://dx.doi.org/10.5380/psi.v9i1.3285

Barroso, S., Oliveira, N., & Andrade, V. (2019). Solidão e depressão: Relações com características pessoais e hábitos de vida em universitários. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 35, e35427. https://doi.org/10.1590/0102.3772e35427

Boehs, S.T.M., & Silva, N. (2017). Bem-estar, felicidade e satisfação de vida na aposentadoria: Construindo reflexões. In S. T. M. Boehs & N. Silva (Orgs), Psicologia positiva nas organizações e no trabalho – Conceitos fundamentais e sentidos aplicados (pp. 208-224). Edição Vetor.

Bolsoni-Silva, A., & Loureiro, S. (2016). O impacto das habilidades sociais para a depressão em estudantes universitários. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 32(4), 1-8. https://doi.org/10.1590/0102.3772e324212

Brás, M. (2012). Turismo e segurança: efeito da perceção de risco na escolha do destino turístico: O caso do Algarve [Tese de Doutoramento, Universidade do Algarve, Faro]. Sapientia. https://sapientia.ualg.pt/handle/10400.1/7599

Canavarro, M.C., Simões, M.R., Serra, A.V., Pereira, M., Rijo, D., Quartilho, M.J., & Carona, C. (2007). Instrumento de avaliação da qualidade de vida da Organização Mundial de Saúde: WHOQOL-Bref. In M. Simões, C. Machado, M. Gonçalves, & L. Almeida (Eds.), Avaliação psicológica: Instrumentos validados para a população portuguesa (Vol. III, pp. 77-100). Quarteto Editora.

Carvalho, L.F., Zanon, C., Ambiel, R.A.M., & Ferreira-Rodrigues, C.F. (2018). Propriedades psicométricas da Escala de Bem-estar Subjetivo pelo Rating Scale Model. Estudos de Psicologia, 35(1), 53-63. https://doi.org/10.1590/1982-02752018000100006

Coelho, P.S., Pereira, L.N., Pinheiro, J.A., & Xufre, P. (2016). As sondagens: Princípios, metodologias e aplicações. Escolar Editora.

Cummins, R.A. (2000). Objective and subjective quality of life: An interactive model. Social Indicators Research, 52(1), 55-72. https://doi.org/10.1023/A:1007027822521

De Conincka, D. Matthijsa, K., & Luytena, P. (2019). Subjective well-being among first-year university students: A two-wave prospective study in Flanders, Belgium. Student Success, 10(1), 33-45. https://doi.org/10.5204/ssj.v10i1.642

Diener, E. (1984). Subjective well-being. Psychological Bulletin, 95, 542–575.

Direção-Geral de Estatísticas de Educação e Ciência (2019). Principais resultados – Raides18 | 2018/19. https://www.dgeec.mec.pt/np4/1057.html

Durão, M. (2017). Bem-estar psicológico de jovens universitários: Contributos da intergeracionalidade [Tese de Doutoramento, Universidade de Lisboa: Instituto de Educação, Lisboa]. Repositório da Universidade de Lisboa. https://repositorio.ul.pt/handle/10451/32281

Farsen, T., Boehs, S., Ribeiro, A., Biavati, V., & Silva, N. (2018). Qualidade de vida, bem-estar e felicidade no trabalho: Sinônimos ou conceitos que se diferenciam? Interação em Psicologia, 22(1), 31-41. http://doi.org/10.5380/psi.v22i1.48288

Fleck, M., Louzada, S., Xavier, M., Chachamovich, E., Vieira, G., Santos, L., & Pinzon, V. (2000). Aplicação da versão em português do instrumento abreviado de avaliação da qualidade de vida “WHOQOL-bref”. Revista de Saúde Pública, 34(2), 178-183. https://doi.org/10.1590/S0034-89102000000200012

Gouveia, P., Leal, I., & Cardoso, J. (2015). Adaptação do questionário de suporte parental (QSP-6) - Versão reduzida para adolescentes. ISPA.

Guthman, J., Iocim, L., & Konstas, D. (2010, 15 de fevereiro). Increase in severitiy of mental illness among clinical college students: A 12-year comparison. http://www.apa.org/news/press/releases/2010/08/students-mental-illness.

Hardeman, R.R., Przedworski, J.M., Burke, S.E., Burgess, D.., Phelan, S.M, Dovidio, J.F., Nelson, D., Rockwood, T., & van Ryn, M. (2015). Mental well-being in first year medical students: A comparison by race and gender. Journal of Racial and Ethnic Health Disparities, 2(3), 403-413. https://doi.org/10.1007/s40615-015-0087-x

Hosmer, D.W., & Lemeshow, S. (2000). Applied logistic regression (2nd ed.). Wiley.

Javed, S., & Javed, S. (2016). Effect of education on quality of life and well being. The International Journal of Indian Psychology, 3(58), 2349-3429. https://doi.org/10.25215/0304.053

Lyubomirsky, S., Sheldon, K., & Schkade, D. (2005). Pursuing happiness: The architecture of sustainable change. Review of General Psychology, 9(2), 111–131. https://doi.org/10.1037/1089-2680.9.2.111

Nada, C.I., & Araújo, H.C. (2017). The multicultural experience of international students in Portugal: A narrative approach. Journal for Multicultural Education, 11(3), 176-188. https://doi.org/10.1108/JME-09-2016-0049

Nogueira, M. (2017). Saúde mental em estudantes do ensino superior: Fatores protetores e fatores de vulnerabilidade [Tese de Doutoramento, Universidade de Lisboa]. Repositório da Universidade de Lisboa. https://repositorio.ul.pt/bitstream/10451/28877/1/ulsd730773_td_Maria_Nogueira.pdf

Oreopoulos, P. (2007). Do dropouts drop out too soon? Wealth, health and happiness from compulsory schooling. Journal of Public Economics, 9(1), 2213–2229. https://doi.org/10.1016/j.jpubeco.2007.02.002

Pollard, E., & Lee, P. (2003). Child well-being: A systematic review of the literature. Social Indicators Research, 61(1), 59-78. https://doi.org/10.1023/A:1021284215801

Proctor, C. (2014). Subjective well-being (SWB). In A.C. Michalos (Ed.), Encyclopedia of quality of life and well-being research. Springer.

Rapley, M. (2003). Quality of life research: A critical introduction. Sage. https://dx.doi.org/10.4135/9781849209748

Ribeiro, P. (1999). Escala de satisfação com o suporte social. Análise Psicológica, 3(17), 547-558.

Ribeiro, P. (2009). A importância da qualidade de vida para a psicologia da saúde. In J. P. Cruz, S. N. Jesus & C. Nunes (Eds), Bem-estar e qualidade de vida: Contributos da psicologia da saúde. Edição Textiverso.

Rodrigues, V. & Madeira, M. (2009). Suporte social e saúde mental: Revisão da literatura. Revista da Faculdade de Ciências da Saúde, 6, 390-399. https://bdigital.ufp.pt/handle/10284/1293

Ryff, C.D., & Singer, B.H. (2008). Know thyself and become what you are: A eudaimonic approach to psychological well-being. Journal of Happiness Studies, 9(1), 13-39. https://doi.org/10.1007/s10902-006-9019-0

Schalock, R., & Verdugo, M. (2002). Handbook on quality of life for human service practitioners. American Association on Mental Retardation.

Schalock, R., Keith, K., Verdugo, M., & Gómez, L. (2011). Quality of life model development and use in the field of intellectual disability. In R. Kober (ed.), Enhancing the quality of life of people with intellectual disabilities. Springer. https://doi.org/10.1007/978-90-481-9650-0_2

Scorsolini-Comin, F., & Santos, M.A. (2012). A medida positiva dos afetos: Bem-estar subjetivo em pessoas casadas. Psicologia: Reflexão e Crítica, 25(1), 11-20. https://doi.org/10.1590/S0102-79722012000100003

Seligman, M. (2010, abril). Flourish: Positive psychology and positive interventions. https://tannerlectures.utah.edu/_resources/documents/a-to-z/s/Seligman_10.pdf

Seligman, M., & Csikszentmihalyi, M. (2002). Positive psychology: An introduction. The American Psychologist, 55(1), 5-14. https://doi.org/10.1037//0003-066x.55.1.5

Seligman, M., Steen, T., Park, N., & Peterson, C. (2005). Positive psychology progress: Empirical validation of interventions. The American Psychologist, 60(5), 410-421. https://doi.org/10.1037/0003-066X.60.5.410

Serra, A., Canavarro, M., Simões, M., Pereira, M., Gameiro, S., Quartilho, M., Rijo, D., Carona, C., & Paredes, T. (2006). Estudos psicométricos do instrumento de avaliação da qualidade de vida da Organização Mundial de Saúde (WHOQOL-Bref) para Português de Portugal. Psiquiatria Clínica, 27(1), 41-49.

Smith, R., & Khawaja, N. (2011). A review of the acculturation experiences of international students. International Journal of Intercultural Relations, 35(6), 699-713. https://doi.org/10.1016/j.ijintrel.2011.08.004

Soares, A., & Prette, Z.A.P.D. (2015). Habilidades sociais e adaptação à universidade: Convergências e divergências dos construtos. Análise Psicológica, 33(2), 139-151. https://doi.org/10.14417/ap.911

Soares, A., Poubel, L., & Mello, T. (2009). Habilidades sociais e adaptação acadêmica: Um estudo comparativo em instituições de ensino público e privado. Aletheia, 30, 213-227.

Soares, A.B., Porto, A.M., Lima, C.A., Gomes, C., Rodrigues, D.A., Zanoteli, R., Santos, Z.A., Fernandes, A., & Medeiros, H. (2018). Vivências, habilidades sociais e comportamentos sociais de universitários. Psicologia: Teoria e Prática, 34, e34311. https://doi.org/10.1590/0102.3772e34311

Social Progress Imperative (2019). 2019 Social progress index: Executive Summary [online]. https://www.socialprogress.org/static/9d3cd3204599ff2cdf87248edc2b1242/2019-social-progress-index-executive-summary-v2.0.pdf

Souza, M., & Baptista, M. (2008). Associações entre suporte familiar e saúde mental. Psicologia Argum, 26(54), 207–215.

Turashvili, T., & Japaridze M. (2012). Psychological well-being and its relation to academic performance of students in Georgian context. Problems of education in the 21st century, 49, 73-80.

Downloads

Publicado

2022-04-08

Como Citar

Ferreira, L. N., Pereira, L. N., & Brás, M. da F. (2022). Estudar onde é bom viver? Bem-estar subjetivo e qualidade de vida no ensino superior: o caso de estudantes brasileiros no Algarve. PSICOLOGIA. https://doi.org/10.17575/psicologia.1643

Edição

Secção

Artigos