A congruência de valores e o stress ocupacional em guardas prisionais

Congruência de valores e stress ocupacional

  • Ana Catarina Moreira Leal Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade do Porto
  • Filomena Jordão Departamento de Psicologia, Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade do Porto
Palavras-chave: Stress ocupacional; Person-Environment fit; Congruência de valores; Guardas prisionais.

Resumo

Pressupondo que as organizações e os guardas prisionais detêm um conjunto de valores sobre como reduzir o crime, correspondente a uma abordagem reabilitativa e/ou punitiva, que podem, ou não, coincidir, pretende-se explorar com base no Modelo Person-Environment fit, a relação entre a congruência de valores e o stress ocupacional vivenciado por guardas prisionais portugueses. Os dados foram recolhidos através da análise documental e entrevista semiestruturada individual realizada a oito guardas prisionais. Conclui-se que os valores punir e ressocializar são independentes e interagem entre si e que a congruência de valores, que se manifesta através de três conceitos independentes, fit, misfit e conflito de valores, é um elemento crítico da vida nas prisões. Constata-se de facto, a existência de dois tipos distintos de conflito e que a ausência de fit não é indicador de conflito. Estes resultados são interpretados considerando-se as implicações teóricas e práticas para as organizações e guardas prisionais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Arruda, P. F. M. (2013). Stress, burnout e estratégias de coping nos guardas prisionais da Região Autónoma dos Açores [Dissertação de Mestrado não publicada]. Universidade dos Açores.

Afonso, J., & Gomes, R. (2009) Stress Ocupacional em Profissionais de Segurança Pública – Um estudo com militares da GNR. Psicologia: Reflexão e Crítica, 22(2), 294-303. https://doi.org/10.1590/S0102-79722009000200017.

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo. Edições 70, Lda.

Bloor, M. & Wood, F. (2006). Keywords in Qualitative Research: A Vocabulary of Research Concepts. Sage.

Butler,D., Tasca, M., Zhang, Y. & Carpenter, C. (2019). A systematic and meta-analytic review of the literature on correctional officers: Identifying new avenues for research. Journal of Criminal Justice, 60(1), 84-92. https://doi.org/10.1016/j.jcrimjus.2018.12.002

Cardoso, C. (2014). Guardas Prisionais “Presos” ao Burnout: Estudo Comparativo entre EP.s de Alta e Média Segurança, com Elevado e Médio Grau de Complexidade de Gestão [Dissertação de Mestrado não publicada]. Universidade Lusófona do Porto.

Coelho, C. (2008). Atitudes de Guardas Prisionais Relativamente a Contactos Sexuais Entre Reclusos e à Sua Prevenção [Dissertação Mestrado não publicada]. Universidade do Minho.

Cooper, C. L., & Marshall, J. (1976). Occupational sources of stress: A review of the literature relating to coronary heart disease and mental ill health. Journal of Occupational Psychology, 49(1), 11-28. https://doi.org/10.1111/j.2044-8325.1976.tb00325.x

Costa, V., Monteiro, S., Esgalhado, & Pereira, H. (2017). Investigação psicológica em contexto prisional português: Uma revisão sistemática da literatura e desafios futuros para a investigação. Psicologia, 31(1), 49–58. http://dx.doi.org/10.17575/rpsicol.v31i1.1238.

Cunha, I. (1996). O corpo recluído: controlo e resistência numa prisão feminina. Celta Editora.

Direção Geral da Reinserção e dos Serviços Prisionais (2020). Portal da Direção Geral da Reinserção e dos Serviços Prisionais. Acedido a abril, 9 de 2020 em https://dgrsp.justica.gov.pt/

Edwards, J. R., & Cable, D. A. (2009). The value of value congruence. Journal of Applied Psychology, 94(3), 654-677. https://doi.org/10.1037/a0014891

Festinger L. (1957). A theory of cognitive dissonance. Row & Peterson.

French, J. R., Caplan, R. D., & Harrison, R. V. (1982). The mechanisms of job stress and strain. Wiley.

Gonçalo, H., Gomes R. Barbosa, F., & Afonso J. (2010). Stresse ocupacional em forças de segurança: Um estudo comparativo (versão electrónica). Análise Psicológica, 28, 165-178. https://doi.org/10.1590/S0104-12902013000300005

Gonçalves, R. A. & Vieira, S. (2005). Atitudes face aos reclusos em guardas prisionais: implicações para a formação do pessoal penitenciário. Temas Penitenciários, 3(1), 23-28.

Isenhardt, A., Hostettler, U., & Ramseier, E. (2019). Effects of Social Relations at Work and Support From Family and Friends on the Consequences of Inmate Violence on Correctional Staff Burnout. Criminal Justice and Behaviour, 46(10), 1-22. https://doi.org/10.1177/0093854819846529

Lambert, E., Keena,Haynes, S., May, D., Ricciardelli, R., & Leone, M. (2019). Testing a path model of organizational justice and correctional staff job stress among southern correctional staff. Criminal Justice and Behaviour, 46(10), 1-18. https://doi.org/10.1177/0093854819843336

Lazarus, R. S., & Folkman, S. (1984). Stress, appraisal, and coping. Springer.

Liedtka, J. M. (1989). Value congruence: The interplay of individual and organizational value systems. Journal of Business Ethics, 8(10), 805–815. https://doi.org/10.1007/bf00383780

Miles, M. B., & Huberman, A. M. (1994). Qualitative data analysis.SAGE Publications, Inc.

Moreira, C. D. F. (2016). Guarda prisional: Força de segurança ou agente de ressocialização [Dissertação de Mestrado não publicada]. Universidade Nova de Lisboa.

Patton, M. Q. (2015). Qualitative research and evaluation methods. Integrating theory and practice (4th Ed.). Sage.

Pereira, J. (2011). Ser guarda prisional o informal na formação das identidades profissionais dos guardas prisionais [Dissertação de Mestrado não publicada]. Universidade do Porto.

Ramos, V., & Jordão, F. (2013). Are public workers more stressed than private workers? The relationship between work stress and value congruence. Psychology Research, 3(7), 396-408. https://doi.org/10.17265/2159-5542/2013.07.005

Roseira, A.P. (2017). O estigma na vida pessoal do guarda prisional. Configurações Revista de Sociologia, 20, 93–108. https://doi.org/10.4000/configuracoes.4228

Sampieri, R. H., Collado, C. F., & Lucio, P. B. (2014). Metodología de la Investigación (6ª Ed.). McGraw-Hill/Interamericana Editores, S. A. de C. V.

Santos, M. H. (2010); Agente penitenciário: trabalho no cárcere [Dissertação de Mestrado não publicada]. Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

Schein, E. H. (2010). Organizational Culture and Leadership (4th Ed.). Jossey-Bass A Wiley Imprint.

Schiff, M. & Leip, L. (2019). The impact of job expectations, workload, and autonomy on work- related stress among prison wardens in the United States. Criminal Justice and Behaviour, 46(1), 136–153. https://doi.org/ 10.1177/0093854818802876

Tetlock, P. E., Peterson, R. S., & Lerner, J. S. (1996). Revising the value pluralism model: Incorporating social content and context postulates. In C. Seligman, J. Olson, & M. Zanna (Eds.), The Psychology of Values: The Ontario Symposium (Vol.8, pp.25-51). Erlbaum.

Trounson, J., Pfeifer, E., & Skues, J. L. (2019). Perceived workplace adversity and correctional officer psychological well-being: an international examination of the impact of officer response styles. The Journal of Forensic Psychiatry & Psychology, 30(1), 17-37. https://doi.org/10.1080/14789949.2018.1441427

Yin, R. K. (2011). Applications of case study research. London: SAGE Publications, Inc.

Zhang, T., Gino, F., & Margolis, J. (2018). Does ‘Could’ Lead to Good? On the Road to Moral Insight. Academy of Management Journal, 61(3), 857-895. https://doi.org/10.5465/amj.2014.0839

Publicado
2020-12-29
Como Citar
Leal, A., & Jordão, F. (2020). A congruência de valores e o stress ocupacional em guardas prisionais. PSICOLOGIA, 34(2), 101-121. https://doi.org/10.17575/psicologia.v34i2.1484
Secção
Artigos