Haverá diferenças individuais na capacidade para detectar a mentira e a honestidade nos outros?

  • Andreia Rodrigues
  • Patrícia Arriaga
Palavras-chave: -

Resumo

Este artigo investigou se diferenças individuais, como o género e a inteligência emocional, contribuem para a detecção da mentira e da honestidade. Adicionalmente, os indícios usados nos julgamentos de mentira foram analisados. Noventa estudantes universitários de ambos os sexos foram expostos a oito gravações em vídeo que exibiam pessoas adultas (quatro homens e quatro mulheres) a responder às mesmas questões numa entrevista (metade mentiu; a outra metade foi honesta). No geral, a percentagem de respostas correctas para a detecção da mentira foi aproximadamente o que seria de esperar em respostas ao acaso; para a detecção da honestidade a precisão foi inferior a valores ao acaso. Os participantes também responderam com maior frequência que os alvos foram “desonestos”, sugerindo um enviesamento nos seus julgamentos. Os acertos não se mostraram associados à maioria das dimensões de inteligência emocional. Em relação a diferenças de género, os participantes do sexo masculino foram significativamente mais precisos na detecção da mentira; enquanto as mulheres mais precisas na detecção da honestidade, independentemente do género do alvo. Várias possíveis explicações emergiram e foram discutidas com base na pesquisa e teoria nesta área.

DOI: http://dx.doi.org/10.17575/rpsicol.v24i2.304

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

-
Como Citar
Rodrigues, A., & Arriaga, P. (1). Haverá diferenças individuais na capacidade para detectar a mentira e a honestidade nos outros?. PSICOLOGIA, 24(2), 43-60. https://doi.org/10.17575/rpsicol.v24i2.304
Secção
Número Temático